Prefeitura avança com obras de construção do Centro Pesqueiro

1705-Obra-Centro-Pesqueiro-PF-0014-1024x683
As obras do Centro Pesqueiro estão em ritmo acelerado. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

A construção do Centro Pesqueiro de Jaraguá prossegue em ritmo acelerado. No local, antes era ocupado por entulhos, esgoto a céu aberto e famílias vivendo em condições precárias, ganha depósitos, estaleiros, mercado de peixe, fábrica de gelo e outras estruturas que vão valorizar o trabalho desenvolvido pelos pescadores.

A Prefeitura de Maceió, por meio da Secretaria Municipal de Habitação Popular e Saneamento (SMHPS), executa a obra, que tem previsão de entrega da primeira etapa até o início de julho. O projeto foi elaborado em parceria com os moradores da antiga favela do Jaraguá, que iniciaram a desocupação da área em dezembro de 2015, mas o local só foi integralmente liberado para as obras no início deste ano.

1705-Obra-Centro-Pesqueiro-PF-0007-1024x683
As obras do Centro Pesqueiro estão em ritmo acelerado. Foto: Pei Fon/ Secom Maceió

O Centro Pesqueiro é voltado para as famílias antes residentes na favela, transferidas para o residencial Vila dos Pescadores e que têm na pesca a principal atividade de sobrevivência.

A primeira fase da obra contemplará os depósitos, reservatório de água, fábrica de gelo, pavimentação, área de filetagem e balança, além da área de secagem de peixes, para que os trabalhadores possam retornar ao local com as devidas instalações. O Centro também já possui todo sistema de iluminação instalado pela Superintendência Municipal de Energia e Iluminação Pública (Sima).

“As obras estão dentro do cronograma previsto. A primeira etapa do projeto será entregue até julho, quando a Prefeitura fará a transferência dos trabalhadores da antiga balança de Jaraguá para as novas instalações. Em seguida, serão iniciadas as obras do espaço de lazer ao lado dos galpões e a reurbanização da orla”, informa o secretário Mac Lira, titular da SMHPS.

Estruturas

O Centro Pesqueiro terá depósitos, estaleiros, mercado de peixe (com área de vendas e armazenamento), lanchonete, fábrica de gelo, oficinas – fabricação e conserto das redes de pesca, fabricação e/ou conserto de leme e elétrica para barco e motor para barco, sorveteria e muito mais. Além da estrutura, cerca de 1.000 empregos serão gerados, aquecendo o mercado de trabalho no setor.

Raíssa Barbosa – Ascom SMHPS