Lactantes são incentivadas a doarem excesso de leite à maternidade

Santa Mônica sensibiliza mulheres em fase de amamentação a salvar vidas de bebês prematuros doando o excesso do leite

72c467482339fb1363b4c01596c51a1f_L
Gesto salva vidas e promove bem estar social. Fotos: Wedja Santos

Salvar vidas. Esta é a verdadeira atitude de quem doa o excesso do leite materno. Na Maternidade Escola Santa Mônica é possível constatar essa realidade diariamente, pois o leite doado para o Banco de Leite Humano (BLH) alimenta os recém-nascidos internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI).

Para suprir a necessidade desses setores são necessários de seis a oito litros de leite materno por dia.

“Este é o alimento ideal, pois é completo e garante ao bebê a dieta necessária para seu desenvolvimento pleno. Mas não é fácil manter o estoque necessário para isso. Infelizmente, muitas vezes precisamos recorrer ao alimento artificial”, destacou a pediatra Andréa Pinheiro, coordenadora do BLH.

Ela explica que o fato da Santa Mônica ser uma maternidade com perfil de alto risco, o índice de bebês prematuros e mães impossibilitadas de amamentar é bem maior, o que exige um trabalho constante para manter o número de doadoras. Nesse sentido, as ações voltadas para o tema ganham força na Semana do Dia Mundial da Doação de Leite Materno, comemorado nesta quinta-feira, 19 de maio.

A programação foi organizada pela equipe do BLH e pela Comissão da Iniciativa Hospital Amigo da Criaça (IHAC) da Santa Mônica. O cronograma teve início na segunda-feira, 16, com uma série de atividades voltadas a gestantes e paturientes internas com o intuito de sensibilizá-las a se tornarem futuras doadoras. Café da manhã, visitas e rodas de conversas tiveram como tema os benefícios do aleitamento materno para a mãe e o bebê e, especialmente, o ato de ajudar a salvar vidas à medida que doam o excesso do leite.

“Muitas sabem que podem doar, mas a maioria não tem conhecimento que seu leite alimenta os bebês internos na UTI. Na maternidade, elas conseguem ver de perto essa realidade, pois a mãe do leito ao lado pode estar com o filho na UTI, ou impossibilitada de amamentar por recomendação médica. É real. Elas acompanham essa evolução e compreendem a importância da doação”, salientou Andréa Pinheiro.

Doao_de_leite

A comunidade é foco da ação desta quinta-feira (19). A partir das 9h, a equipe multiprofissional da maternidade realiza a Blitz da Amamentação, com paradas sistemática e distribuição de panfletos no semáforo em frente ao da Maternidade Santa Mônica, na Av. Comendador Leão no Poço. Às 12h, os profissionais participam de uma videoconferência com a Rede de Bancos de Leite do Brasil e, às 14h, realiza nova visita de sensibilização pelas enfermarias.

Estoque baixo

Apesar de estar em plena Semana da Doação de Leite Materno, a coordenadora reforça que o estoque de leite está baixo.

“Convidamos as mulheres que estão amamentando, e que tem excesso de leite, a ajudar a salvar as vidas dos bebês internos na UTI e UCI da Santa Mônica”, convida Andréa Pinheiro.

Para se tornar doadora, basta procurar a maternidade, localizada na av. Comendador Leão, no Poço, ou ligar para o número (82) 3315.4434.

A doadora deve estar saudável, ou seja, quem fez o pré-natal, basta apresentar os exames realizados durante o período. Quem não tem os exames, pode fazê-los na própria maternidade. Os exames realizados detectam doenças que inviabilizam a doação do leite, como é o caso da AIDS, hepatite, toxoplasmose, entre outras.

Além da doação do leite materno, toda população pode contribuir com a iniciativa: doando vidros de maionese ou café solúvel para armazenamento e pasteurização do leite.

Wedja Santos – Agência Alagoas