Assaltos a ônibus em Maceió reduzem 39% após a operação Coletivo Seguro

Sindicato dos Rodoviários foi recebido pelo secretário e cúpula para avaliação dos resultados

caf58c0e4f95e9ab568068a468840767_L
Pela contabilização de 850 assaltos a coletivos em Maceió, em um ano, o secretário faz os cálculos e não considera o quadro de pânico. Dárcio Monteiro
 A Segurança Pública adotou as providências e os resultados foram imediatos em relação aos assaltos a coletivos, em Maceió, no mês de maio. Após o início da operação Coletivo Seguro, o Núcleo de Estatística e Análise Criminal (Neac), comprova a redução de 39% desse tipo de investida criminosa.

Dentro das discussões, o secretário Lima Junior foca a reincidência das autorias que, na maioria das vezes, é com menores. “Um ponto totalmente negativo para o combate dos assaltos é porque os registros comprovam que menores de idade se sobressaem nesse tipo de crime. Acontece que, com a leveza da lei, são levados para a delegacia e saem até mesmo antes da guarnição que está apresentando a ocorrência. No outro dia, voltam e assaltam novamente”, afirmou o secretário.

Mas, Lima Júnior enfatiza os efeitos positivos e assegura que a operação não tem previsão para ser encerrada. “Não temos um dia exato para que essa ação intensificada termine. Queremos estabilizar positivamente os números, mas sempre com os olhos voltados para os coletivos.”, ressalta Lima Junior.

Pela contabilização de 850 assaltos a coletivos em Maceió, em um ano, o secretário faz os cálculos e não considera o quadro de pânico. Dividindo 850 assaltos por 12 meses (um ano), a base é de 70,8 assaltos/mês; estes divididos por 30 (mês) Maceió chega a um registro de 2.36 assaltos a ônibus/dia numa frota de 700 veículos com carga horária de 10 a 12 horas.

“Não podemos levar pânico à sociedade quando temos por dia, numa frota de setecentos coletivos, a confirmação de dois a três assaltos. Lógico que trabalhamos para coibir, mas não podemos considerar esse quadro como fora do controle ou situação catastrófica”, explicou o secretário.

Dulce Melo – Agência Alagoas